fbpx

Solled Energia projeta crescimento de 30% para 2021

O ano de 2020 foi atípico e desafiador para todos em virtude da pandemia do novo coronavírus. Mesmo num cenário adverso, alguns setores da economia gaúcha, como é o caso da energia solar, encerram o ano com uma importante participação no desenvolvimento econômico, social, ambiental, estratégico, energético e elétrico do Rio Grande do Sul. A Solled Energia, empresa santa-cruzense pioneira na instalação de placas fotovoltaicas no Vale do Rio Pardo, fecha 2020 com um pequeno acréscimo no faturamento com relação a 2019, mas com foco na aceleração do crescimento para o próximo ano.

Conforme a diretora da Solled Energia e coordenadora estadual da Associação Brasileira de Energia Solar (ABSolar), Mara Schwengber, havia uma perspectiva de crescimento e expansão para novas regiões em 2020. “Com a pandemia, houve uma parada em abril e maio, o que gerou uma redução no faturamento do segundo trimestre”, salientou, destacando a recuperação do mercado nos últimos meses do ano. “Difícil ser assertivo em uma previsão dentro de um cenário de pandemia, mas temos a expectativa de crescer cerca de 30% em 2021. Acreditamos que setores como indústria, comércio e agronegócio vão puxar a frente destes números”, frisou.

Números – Segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e da ABSolar, o Rio Grande do Sul está em 3º lugar no ranking estadual, com 503,7 MW de potência instalada, o que representa 12,5% da produção fotovoltaica do país. Já Santa Cruz do Sul continua em 2º lugar no ranking estadual, com 15,4 MW de potência instalada, o que corresponde a 3,3% das instalações gaúchas. “Porém, já se percebe que passa a haver uma pulverização maior de usinas solares em todo o estado, não ficando mais concentrado em uma única região”, explicou Mara. No Estado, os investimentos em energia solar superam R$ 2,3 bilhões, com mais de 13 mil novos empregos gerados e mais de R$ 619,8 milhões em arrecadação de tributos ao Poder Público.

A Solled Energia possui atualmente 1.579 microusinas ligadas à rede no Rio Grande do Sul, gerando uma potência instalada de 37MW (Megawatts) em residências, empresas e entidades, o que representa uma redução na emissão de gás carbônico (CO²) de 5,2 mil toneladas. Em 2021, a empresa, parceira comercial da multinacional brasileira WEG, vai comemorar 10 anos de atividades. Atualmente, conta com 90 colaboradores e prestadores de serviços, focados na comercialização, instalação e manutenção de usinas solares fotovoltaicas, com atuação em todo o Rio Grande do Sul.

Principais Usinas Solled:
– Hospital Ana Nery: 2.429 módulos, potência 817,94 kWp – Santa Cruz do Sul
– Silvestrin Frutas: 1.106 módulos, potência 414,75 kWp – Brasília – DF
– Fitas Real: 1.014 módulos, potência 349,83 kWp – Vale Real
– Urnas Rigon: 1.030 módulos, potência 339,90 kWp – Constantina
– Gaúcha Plast: 862 módulos, 323,25 kWp – Santa Cruz do Sul
– Nova Mobile: 840 módulos, potência 289 kWp – Bento Gonçalves
– Irmãos Nedel: 788 módulos, potência 264,37 kWp – Pareci Novo
– Madrugada Alimentos: 788 módulos, potência 260,04 kWp – Venâncio Aires
– Piva: 510 módulos, 198,90 kWp – Garibaldi
– Refeições Ao Ponto: 526 módulos, 178,84 kWp – Santa Cruz do Sul

Compartilhar:

Faça uma simulação